Clube de Aeromodelismo de Lisboa


Galeria Histórica - Os primeiros tempos


Galeria fotográfica histórica

 

Campeonato Internacional de Madrid

16 a 18 de Outubro de 1954

A primeira participação de uma equipa portuguesa numa competição internacional:

  • Artur Sereno (EVS), Wakefield;

  • António Bento (CAL), Motomodelos;

  • Joaquim Raimundo (CAL), Planadores;

  • Carlos Rodrigues (CAL), Chefe de Equipa

Não trouxeram prémios, mas tiveram o gosto de ver o seu trabalho elogiado e aplaudido. Deslocação mais para aprender do que para competir.


III CAMPEONATO DE LISBOA

Alverca, Junho 1955

Nas imagens: Carvalho Marques, 1.º em Planadores, e Manuel Rodrigues, 3.º em Motomodelos.

Foram vencedores:

  • Planadores              Carvalho Marques (CAL)

  • Borrachas                António Bento (CAL)

  • Motomodelos          António Bento (CAL)

  • Velocidade I e II      Fernando Simões (CAL)


I CAMPEONATO IBÉRICO

Aeroporto de Lisboa, Julho 1955

Foi a primeira prova internacional organizada em Portugal.

Nas imagens: Pereira Baptista efectua um lançamento de treino e José Carlos Rodrigues larga o seu "Wakefield" para o voo final vencedor.

Foram primeiros campeões ibéricos:

  • Planadores           Pereira Baptista (PT)

  • Wakefield              José Carlos Rodrigues (PT)

  • Motomodelos      José Gorgocena (ES)

  • Acrobacia             Fernando Batlló (ES)

  • Velocidade           Fernando Batlló (ES)


VI CAMPEONATO NACIONAL

Porto (Aeroporto de Pedras Rubras e Campo do Académico), Outubro 1955

Nas imagens: Fernando Simões com o seu mecânico Eugénio Picolo e António Castro, também concorrente a Velocidade.

Foram vencedores:

  • Planadores              Júlio Soares (AFC - Académico Futebol Club)

  • Wakefield                  António Bento (CAL)

  • Motomodelos          António Bento (CAL)

  • Velocidade I e II       Fernando Simões (CAL)


TORNEIO INTERNACIONAL COPA MADRID

Estádio de S. Martin - Real Madrid, Maio 1956.

A equipa do CAL foi constituída por Joaquim Raimundo, António Castro e Vieira Lopes.


A Pista de Voo Circular da Portela, construída pela Direcção-Geral da Aeronáutica Civil, em terrenos do Aeroporto de Lisboa, foi sempre considerada como uma das mais importantes infra-estruturas do aeromodelismo e muito contribuiu para o desenvolvimento do voo circular no CAL e para a sua própria promoção. A instalação da rede de protecção ficou pronta uns dias antes da data da realização do VII Campeonato Nacional (23 de Junho de 1956).


VII CAMPEONATO NACIONAL

1.ª Jornada, 23 de Junho de 1956 - Pista da Portela

Nas imagens: A equipa de Corridas, António Castro (piloto) / Eugénio Picolo (mecânico) e ainda Fernando Simões em Velocidade.

Foram vencedores:

  • Velocidade I e II      Fernando Simões (CAL)

  • Corridas                   Castro / Picolo (CAL)

  • Acrobacia                Eugênio Picolo (CAL)

Um aspecto da mesa do Júri (constituído por Spínola, Agostinho e Carlos Rodrigues), vendo-se os prémios que foram atribuídos.

Atrás, Viriato de Carvalho.

 


VII CAMPEONATO NACIONAL

2.ª Jornada, 24 de Junho de 1956 - Aeródromo de Sintra

Nas imagens: Abílio Matos larga o planador de Baptista, Bento lança o seu Wakefield e Soares afina o motor do seu motomodelo.

Foram vencedores:

  • Planadores           Pereira Baptista (CAL)

  • Wakefield              António Bento (CAL)

  • Motomodelos      Júlio Soares (AFC)


II CAMPEONATO IBÉRICO

Cuatro Vientos (Madrid), Julho 1956

A equipa portuguesa: Marques, Raimundo, Rodrigues, Lopes, Picolo, Bento, Castro e Soares, vistos pela pena de António Barata.

Foram vencedores:

  • Planadores           Pereira Baptista (PT)

  • Motomodelos       Júlio Soares (PT)

  • Wakefield              Plaza e Fernandez (ES)

  • Velocidade           Fernando Batlló (ES)

  • Corridas                Fernandez / Batlló (ES)

  • Acrobacia             António Plaza (ES)


II CAMPEONATO IBÉRICO

Cuatro Vientos (Madrid), Julho 1956

Uma equipa portuguesa de Corridas: Vieira Lopes / António Bento (CAL).


IV CAMPEONATO DE LISBOA

20 e 21 de Outubro de 1956

Pista da Portela e Aeródromo de Alverca

Esta foi a forma como António Barata quis guardar para nós, num boletim do CAL, as lembranças deste campeonato: 

O Manuel Rodrigues manda parar o cronómetro porque o motor do seu motomodelo sai aos "ratés", o Simões atinge a marca histórica dos 200 km/h, o Picolo não se entende com o R/C, o piloto dos reboques por pouco não partia cabeças, o Bento atarefadíssimo ensaia 2 voos ao mesmo tempo, e, mais dado a planadores, o Marques, em motomodelos, corta quantos dedos tem.

A um canto, pequenino, Barata observa, observa, e não voa.

Neste ano, foram campeões de Lisboa:

  • Planadores              Pereira Baptista

  • Wakefield                 António Bento

  • Motomodelos         António Bento

  • Velocidade I e II      Fernando Simões

  • Acrobacia                Eugénio Picolo

  • Corridas                   António Castro

... todos do CAL, claro!  


CAMPEONATO DE MOTOMODELOS DE VOO LIVRE, CLASSE "PAA LOAD"

Organizado pelo Aero Clube de Portugal, Outubro 1956

António Bento (CAL) e o seu modelo.

NOTA: A classe PAA era uma modalidade criada e patrocinada pela Pan American Airways com características próprias. Assim, por exemplo, a cilindrada do motor devia estar compreendida entre 0,8 e 1 c.c., os modelos deviam ter 3 pontos de apoio e descolar pelos seus próprios meios, o peso em vazio não poderia ser inferior a 142 g, para motores de 0,8 c.c., ou 170 g para motores de 1 c.c. O modelo tinha de transportar uma carga adicional de 28 g (0,8 c.c.) ou 57 g (1c.c.). Em competição, o tempo de funcionamento do motor não podia exceder os 20 segundos.


 

No Campeonato de PAA Load de 1956, podem ver-se os Coronéis Carlos Beja e Pinheiro Corrêa (as duas figuras mais à direita).

Também, a acompanhar o júri de provas de voo circular, na Pista da Portela, o Coronel Pinheiro Corrêa (de pé, à esquerda).

Nas décadas de 50 e de 60 o apoio que as entidades oficiais davam ao Aeromodelismo era bastante significativo. Não apenas amparo material e facilidades na utilização de infra-estruturas da Aviação, mas também apoio pessoal com a sua frequente presença em provas e outros eventos aeromodelísticos.

 No Boletim do CAL, de Julho de 1956, pode ler-se:

Assistiram às provas do VII Campeonato Nacional de Aeromodelismo, além de numeroso público: os Senhores Coronel Pinheiro Corrêa, Presidente do Aero Club de Portugal, Ten. Coronel Fernando Oliveira, Director das Oficinas Gerais de Material Aeronáutico, Ten. Coronel João de Almeida Vianna, Chefe da Repartição de Instrução e Pessoal Navegante da Direcção-Geral de Aeronáutica Civil, Ten. Coronel Carlos Esteves Beja, Director do Aeroporto de Lisboa, Major Sérgio da Silva, Subdirector daquele Aeroporto, Engº. Themudo Barata, Director dos Serviços de Obras da DGAC, Falcão Costa, do Aeroporto de Lisboa e Dr. João Fernandes e Ruy Granja, respectivamente, Tesoureiro e Secretário Geral do Aero Club de Portugal.


Deve-se ao CAL a criação dos primeiros códigos desportivos

Foi o Clube de Aeromodelismo de Lisboa que, em 1956, tomou a iniciativa de traduzir a Secção 4 do Código da FAI - Federação Aeronáutica Internacional, promovendo, com a aprovação do Aero Club de Portugal (representante da FAI no nosso País) e da Direcção Geral de Aeronáutica Civil, a criação dos primeiros REGULAMENTOS DA FAI - Provas de Aeromodelismo, que foram publicados em Abril de 1956.

Em 1961, veio o CAL dar novo impulso à regulamentação e, assim, foi criado o REGULAMENTO NACIONAL DE AEROMODELISMO – CÓDIGO DESPORTIVO (Normas FAI).


V Campeonato Ibérico, 13 Novembro, 1959

Pela 1ª vez, os portugueses venceram!

  • Portugal:   4113 pontos

  • Espanha:   3560 pontos

Equipa portuguesa:

Júlio Soares (AFC), Artur Sereno (EVS), António Sereno (EVS), Vasco Carvalho (CAL), Eugénio Picolo (CAL), António Castro (CAL), António Barata (CAL) e Fernando Simões (CAL).

Equipa espanhola:

Florencio, La Plaza, Guiu, Gonzalez, Illan, Gonzalvez e Matute.

Na foto, a frenética equipa espanhola de voo circular tenta pôr em marcha o motor de um dos seus modelos de velocidade.

De pé, Castro, Picolo e Simões fazem figas... "Deus queira que não pegue..."